Botões superiores

02 Feb 2021

Capacitismo e educação: ser deficiente não é anormal

Autora Convidada: Jenniffer Augusto | Educativo na Piraporiando - Educação com afeto para a diversidade
Capacitismo e educação: ser deficiente não é anormal
Social foto criado por freepik - br.freepik.com

“Cego de raiva.”

“Dar uma de João sem braço.”

“Não temos braço para isso.”

“Desculpa de aleijado é muleta.”

“Estava só aqui no meu mundinho autista.”

Estas são só algumas das frases ditas por algumas pessoas, infelizmente, com naturalidade. Lamentavelmente, muitos profissionais da educação não têm a devida orientação ou conhecimento e acabam caindo nas ciladas do capacitismo.

O capacitismo é mais uma forma de discriminação na qual pessoas com deficiência são taxadas como incapazes, são desumanizadas e ou tidas como inaptas a exercer determinada ação. É sobretudo uma forma de subjugar as pessoas com deficiência.

É comum, muitas vezes, pensar a educação inclusiva somente como aquela que busca inserir no espaço pessoas com deficiência mas, na verdade, a educação inclusiva é aquela que  abarca o respeite e principalmente, proporciona a todos e todas uma educação plena e bem estruturada, desde os portões da escola até o processo ensino e de aprendizagem. Pensemos num exemplo simples: Se eu te convido para minha festa, você até pode se sentir parte do meu grupo mas, se na festa eu te convido para dançar, é muito mais provável que você tenha o sentimento de pertencimento. Este exemplo foi uma forma afetuosa da ativista Vernā Myers nos falar sobre a inclusão.

É muito imprescindível que nós, educadores, busquemos romper com as barreiras das discriminações e preconceitos.

Ações práticas e básicas contra o capacitismo:

  • Entenda, ser deficiente não é anormal. Pessoas com deficiência, estudam, trabalham, assim como qualquer outra pessoa;
  • Sim, ter uma deficiência em uma sociedade que não está preparada para a diversidade é um grande desafio, por isso, atente-se e amplie seus conhecimentos. Assim, quanto mais pessoas conscientes de que o mundo deve ser acolhedor a todos e todas, melhor será a nossa sociedade;
  • Não  use palavras de cunho capacitista, tais como: louco, maluco, retardado, mongol, surdo-mudo, capenga, bipolar, deformado, sequelado e entre outras…
  • Sobretudo, tenha empatia, respeite e entenda que cada ser deste planeta é único, ou seja, vivemos em um mundo repleto de diversidade.

 

 

 

Gostou do Conteúdo? Compartilhe em suas redes


 

 

 

Veja mais
Loading

Assine a newsletter da Bett Educar

Seja o primeiro a saber sobre novos palestrantes, conteúdos recém-lançados, notícias, novidades de quem está exibindo e muito mais.


 

Botões superiores

Parceiros

 

 

Patrocinadores